20 de julho de 2012

Mas sei lá


. Não que eu queira andar por ai sozinha e sem rumo, tampouco as pessoas são culpadas, por todas as minhas reviravoltas emocionais e tantos SIM's, que não sei porque, saem da minha boca antes que eu perceba oque estou dizendo. Você já assistiu aquele filme em que o cara é obrigado a dizer sim a tudo que lhe for oferecido e pedido? Então, o filme até que é divertido. Pimento nos olhos dos outros é refresco. Mas vou parar de narrar na defensiva e dizer a verdade: Eu realmente não sei porque, nem de onde herdei tudo isso, mas parece que me obrigo a fazer as pessoas felizes, e isso dói tanto pra mim quanto deixa os outros sorrindo.
 Não sei oque me ajudou realizar tal proeza, mas tinha me esquecido o quanto é ruim ficar no meio do caminho. Sabe, quando tem tanta gente que você ama perto, mas é como se não tivesse NINGUÉM...
 Acho que ficar no meio do caminho não impede só a passagem dos outros, como de modo figurado, me impede de receber o minimo de calor humano, o mesmo que tento levar à eles. Sabe, fazer companhia, fazer cara de quem ta gostando. Dizer "oi, prazer sou Tamires"quando na verdade, oque eu queria era estar em casa, lendo um livro debaixo das cobertas, sem ninguém pra quem ter que sorrir, e puxar papo.
 É, essa sou eu sim. A mesma que TANTO fala de amor próprio. E eu me amo, mas como diria Kurt, "Acho que amo as pessoas de mais, tanto que chego a me sentir mal". E acho que sou uma Pu** de uma covarde comigo mesma, porque isso acaba comigo, machuca, confunde, faz uma bagunça na minha cabeça. Sabe, não quero mais ser assim. Não quero ser a primeira pessoa pra quem alguém pediria ajuda, porque eu NUNCA negaria NADA pra ninguém, essa é a verdade, e sabe como foi que consegui fazer a coisa certa nesse ultimo mês? Sabe como foi que consegui pensar na minha felicidade? Porque minha felicidade depende de outra pessoa, e eu precisava fazer essa pessoa feliz, mesmo que isso significasse um NUNCA MAIS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário